IGREJA MATRIZ DE S. PEDRO

Desconhece-se a data da sua fundação.

O actual edifício resultou de sucessivas transformações e reparações do primitivo, que tinha já como orago o apóstolo S. Pedro.

É um edifício de grande simplicidade arquitectónica. É constituído por uma nave, tendo do lado esquerdo o baptistério, o altar do Senhor dos Passos (antiga capela da Irmandade das Almas) e o altar de Nossa Senhora das Dores e de S. João Evangelista e outro com a imagem do Sagrado Coração de Jesus.

Na porta principal tem um guarda-vento, por cima do qual está o coro, construído em 1899, ao qual dá acesso uma escadaria à direita da porta principal. Do coro, uma porta era a única comunicação para a torre até 1974, data em que se instalou a escada em caracol existente.

Tem duas portas laterais, uma de cada lado, e cinco janelas em plano elevado, gradeadas, duas de cada lado e uma por cima da porta principal.

Um amplo arco dá acesso à Capela-Mor onde se destaca o altar, em talha dourada, a todo o comprimento e altura da parede frontal. No altar destaca-se o sacrário, encimado por um trono em degraus, no alto do qual se expõe o Santíssimo em dias festivos.

Lateralmente estão as imagens de S. Pedro e de Stº. António. Duas janelas laterais permitem a entrada da luz.

Ao centro da Capela-Mor, um novo altar «versus populum», construído em 1969, segundo as determinações emanadas do Concílio Vaticano II.

À direita da Capela-Mor, uma porta permite a comunicação com a sacristia.

No prolongamento da fachada principal e à direita desta, ergue-se a torre, de base quadrangular, de 4 metros de lado e com 14 metros de altura. Nela estão instalados dois sinos e o relógio público.

No «Livro das Visitações» constam algumas das obras e reparações efectuadas na Igreja, de 1714 a 1750:
    1714 -- Mandada consertar a sacristia «de sorte que fique capaz e livre de todo o perigo que pode suceder».
    1718 -- Mandado assoalhar de madeira o corpo da Igreja (antes era nele espalhado junco).
    1722 -- Mandado consertar o telhado da Igreja, junto ao campanário.
            -- Foi construída no corpo da Igreja uma capela para se dizerem as missas da obrigação da Irmandade das Almas (onde hoje se encontra o altar do Senhor dos Passos e o Senhor do Esquife).
    1725 -- Ordenada a Caiação da Igreja.
    1726 -- Ordenado o conserto do tecto da Igreja, «junto ao arco por estar desunido».
    1737 -- Foi ajustado o entabolamento e forro do corpo da Igreja ao mestre Agostinho Rodrigues, da Vila de Castelo Branco.
    1750 -- Focou-se a necessidade de reformar o tecto da Capela-Mor e de se dourar o altar da mesma.
    1886 -- Contribuição de 50 920 réis da confraria de Nª Senhora do Rosário para serem gastos na Igreja Matriz (obras não descriminadas).
    1889 -- Construção do coro.
    1909 -- Construção do novo altar da Capela-Mor.
    1932 -- Completa restauração do telhado da Igreja.
    1933 -- Douramento do altar da Capela-Mor.
    1934 -- Instalação do relógio público (20-04-1934).
    1952 -- Douramento dos altares de Nª Senhora do Rosário e do Sagrado Coração de Jesus, pela importância de doze mil escudos, que sobrou do pagamento da instalação do telefone.
    1969 -- Restauração da sacristia com substituição do pavimento, instalação de armários fixos e água canalizada.
    1973 -- Substituição do relógio público.
    1974 -- Completa restauração do pavimento da Igreja (substituição do madeiramento por mosaico e granito).
            -- Aplicação de azulejos nas paredes até à altura de 1,5 metros.
            -- Substituição das colunas se sustentação do coro.

Entrada principal

 Fachada Principal   

Torre da Igreja

Torre

Torre

Altar-Mor

Altar-Mor

Srª  da Conceição - S. Pedro - Stº António

Srª Rosário

Senhora do Rosário

Sagrado Coração Jesus

Sagrado Coração de Jesus

Senhor dos Passos

Senhor dos Passos

Calvário

Calvário

Baptistério

Baptistério

Coroa

Altares

Altares

Pia baptismal

Pia baptismal

Coro

Coro

 

Tela

Tela

Tela

Tela

             [Página principal]